Durante todo o mês de outubro, acontecerá na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) discussões e debates acerca do combate ao câncer de mama além de outras questões sobre saúde e direitos da mulher. Promovida pela Sub-Reitoria de Extensão e Cultura, a campanha “A UERJ veste rosa na luta contra o câncer de mama” tem objetivo de chamar a atenção da comunidade acadêmica e da população que circula pela UERJ. Na segunda-feira, dia 10, foi estendida uma faixa rosa no prédio da Universidade simbolizando a adesão à causa e como forma de despertar a curiosidade dos que desconhecem o assunto. 

A campanha do Outubro Rosa é um movimento popular conhecido e comemorado internacionalmente. Teve início nos Estados Unidos e visa chamar atenção para a realidade do câncer de mama e a importância de seu diagnóstico precoce. O objetivo é dar visibilidade ao projeto a ponto de atingir a todas as camadas de mulheres da sociedade, principalmente aquelas que têm menos acesso à informação sobre saúde, e conscientizar sobre a importância de um diagnóstico prematuro. 

A programação se inicia na terça-feira, dia 11, às 9h30, com o debate  “A luta contra o câncer na mulher” que acontecerá no auditório Cartola, no Centro Cultural da UERJ. O debate contará com a presença de Maria Helena Ornellas, coordenadora da Liga de Oncologia da UERJ, Rejane de Almeida, enfermeira, deputada estadual pelo PCdoB e integrante da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher na Alerj, e Marisa Maria Dreyer Breitenbach, professora do Instituto de Biologia e coordenadora de pesquisa do INCA. 

Integrando as atividades, entre os dias 10 e 14, das 6h30 às 21h, um ônibus do projeto Via Lilás ficará estacionado próximo ao prédio dos alunos com serviço de informação para mulheres, não só sobre direitos em relação à violência, como direitos civis. O projeto que é desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos em parceria com a Secretaria de Transportes, o Banco Mundial, a SuperVia e o RioSolidário tem como pilares principais a orientação, o acolhimento e a capacitação de mulheres que sofrem violência doméstica. Também como parte do projeto, totens digitais, uma espécie de tela interativa, serão colocados no hall dos elevadores disponibilizando informações e levantando dados sobre violência doméstica. A UERJ foi escolhida para receber os totens por ser um local de grande fluxo de pessoas, possibilitando assim, alcançar muitas mulheres de diferentes perfis sociais. 

No dia 26, de 11 às 13h e de 17 às 19h, ocorrerá uma feira de saúde da mulher organizada pela Liga Acadêmica de Saúde da Mulher (LASMu-UERJ) juntamente com a professora e ginecologista, Renata Aranha. A Liga, formada por alunas de medicina da UERJ, trabalha com a abordagem das mais diversas violências contra a mulher, desde a obstétrica até assédios sofridos diariamente. Já no dia 27, na Concha Acústica, será exibido o lançamento do documentário “Girassol”, que é baseado em um projeto de fotos e registros de mulheres com belezas consideradas fora dos padrões visando o empoderamento e o aumento da autoestima. Além disso, durante todo o mês, também acontecerá distribuição de materiais informativos e laços rosas decorativos pela Universidade.