Projeto alia tecnologia móvel a visitas aos museus

Estudo visa novas formas de utilização dos celulares no contexto do design de participação

Thais Goulart

Diante do aumento do uso dos dispositivos móveis e suas opções de comunicação no cotidiano, instituições culturais, como os museus, encontram o desafio de despertar e manter o interesse do público jovem. Um projeto desenvolvido na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) pretende solucionar esse problema integrando os aparelhos móveis à experiência da visitação dos museus. Defendido pelo designer Juliano Caldeira Kestenberg, o projeto, que foi batizado como Sistema Revelar, propôs novas formas de visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, utilizando uma atividade programada pelo Museu do Meio Ambiente como parâmetro. No passeio, alunos do Ensino Médio contribuíram com  fotografias feitas a partir dos seus celulares. As imagens foram publicadas num site criado pelo pesquisador. Segundo ele, essa prática é uma forma de estender o museu na web.

A riqueza do complexo do Jardim Botânico, somado à paixão por fotografia, foram os ingredientes para o desenvolvimento do Revelar, explicou o autor. Idealizado especialmente com base no Jardim Botânico e o Museu do Meio Ambiente, as ideias essenciais do projeto podem configurar-se como um modelo piloto para investigar potencialidades do “design de participação” em contexto museológico.

Pressupondo a participação de estudantes do Ensino Médio em uma atividade agendada com o programa educativo do museu, o Sistema Revelar propõe um estímulo aos alunos a partir de algo que se encontra totalmente incorporado às suas vidas:os celulares. O exercício foi fotografar objetos diversos presentes no Jardim, tais como espécimes vegetais, animais, monumentos, lagos. Antes da realização das capturas fotográficas, discussões socioambientais foram apresentadas aos alunos, que produziram as imagens a partir dos problemas.

Com o objetivo de investigar as potencialidades do projeto decorrentes do exercício de “design de participação” no contexto do museu como entidade disseminadora de cultura, o Sistema ainda estimula a cooperação e trabalho em equipe dos alunos, uma vez que, durante o trajeto, eles manifestariam suas opiniões, capacidades de decisão e também de fala em público.

Atualmente,  é quase impossível evitar os recursos tecnológicos no cotidiano. Os jovens são os mais contagiados por essa relação e o desafio atual é usar esse instrumento para uma proposta educativa. De acordo com Juliano, o Revelar influencia a sensibilidade diante das tecnologias ao promover uma atividade aliando outras perspectivas à tecnologia. A partir da atividade, experiências e aprendizado foram compartilhadas e o objetivo é que seus resultados passem a ser expostos nos museus, criando um sentimento de pertencimento.

 

Leia na íntegra: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=7022